historia da black music
01/10/2016 - 12h42 em Música

 

A diáspora africana não só se encarregou de espalhar negros e negras escravizados pelas colônias inglesas, espanhola, francesa, portuguesa e holandesa, nas Américas, mas também as culturas de suas variadas etnias. A música sempre fez parte da vida do africano. Para cada momento da vida havia um tipo de canção. Recordar as canções de seuspovos era uma forma tanto de não se perder o elo com a própria origem, quanto abrandar os sofrimentos da escravidão. 

Foi assim que surgiram nas plantações de algodão do sul dos EUA as work songs. No Brasil, também, se ouviam cantos de trabalho nos canaviais do Nordeste, nas minerações de Minas Gerais, e em todos os locais em que havia escravizados. Fernando Mukulukusso, fundador da Academia Brasileira de Black Music, explica: “No EUA, a música negra era conhecida como race music (música da raça) e só foi batizada de black music nos anos 40, pela revista Billboard. Depois ela tomou dois rumos: o religioso, através do spiritual e, após, do gospel; e o mundano, que é o blues, pai de outras formas musicais como o rock’n’roll. Nas cidades, surge o jazz, uma maneira negra de interpretação, em que se improvisa sobre qualquer tipo de tema musical, que também tem infindáveis ramificações. Uma delas, por exemplo, é a soul music, a parte mais sensual da black music, e a mais comercial. Há também o rhythm and blues ou R&B e o original funk, com sua musicalidade e seu ritmo marcantes.”

COMENTÁRIOS